‘Silêncio da Igreja sobre atual cultura levará a uma sociedade sem Deus’, alerta pastor

Em seu novo livro “Raise Your Voice” (Fale mais alto), o pastor Myles Rutherford da igreja Worship with Wonders, em Geórgia (EUA), apela aos cristãos para “erguerem sua voz” e serem mais ousados ao compartilhar a fé em Jesus.

Segundo Myles e sua esposa DeLana, a maioria das igrejas americanas tornaram-se demasiado tímidas para se envolverem com a cultura em questões controversas e se essa tendência continuar, não vai demorar muito até que os EUA sejam uma sociedade “sem Deus”.

Para o casal de líderes, “é hora do remanescente de fiéis se levantar e falar”, pois a cultura é barulhenta, como ele aponta. “Satanás está barulhento neste momento. No entanto, tenho visto a Igreja permanecer calada em questões importantes por medo”, disse ainda conforme a Fox News.

O silêncio da Igreja

Myles explicou que sentiu o chamado de Deus para escrever o livro depois de perceber o “silêncio da igreja evangélica” ao abordar as questões culturais de hoje.

“O número um [minha motivação para escrever o livro] foi a maior parte do silêncio da igreja americana nos últimos três anos com tópicos importantes, questões relevantes que estavam acontecendo. E parece que a igreja não estava respondendo”, disse.

“Eu simplesmente não ouvi nada. E então realmente senti que havia algo mais profundo envolvido. E realmente orei para que o Senhor me desse uma revelação de compreensão”, compartilhou.

‘A Igreja e as mensagens motivacionais’

Para o pastor, a Igreja nos EUA não está agindo contra as questões controversas e optou por pregar “mensagens motivacionais" e está evitando “ofender” qualquer pessoa.

“Nem todo mundo, mas nos últimos 20 anos, a igreja dominante realmente pregou uma mensagem muito motivacional. E o Senhor falou comigo e disse, você sabe, sermões fracos produzem santos fracos”, disse.

“Mas a pregação do Evangelho de Jesus Cristo tem uma convicção eterna. E acho que perdemos isso como corpo e como Igreja. Onde é que a Bíblia diz que não devemos falar? Onde é que nos diz para só dizermos algo se as pessoas quiserem ouvir?”, questionou.

O pastor citou ainda as pesquisas recentes que mostram tendências daqueles que se identificam como religiosos se tornando mais receptivos a estilos de vida que a Bíblia chama de pecaminosos: “Os cristãos estão sendo menos expressivos sobre sua fé, como evidência de que a igreja na América está em uma ladeira escorregadia para se afastar do cristianismo bíblico”.

‘Existe um remanescente fiel’

Myles acredita que existe um “remanescente fiel” que precisa se manifestar: “Estamos acordados para o que está acontecendo. Mas o Senhor falou comigo em junho de 2021 e disse, não é que eles não estejam acordando, eles simplesmente não estão falando, não estão se levantando”.

“E Deus quer seu povo acordado, levantado e falando a verdade”, disse o pastor que, em junho, organizou um evento que acabou irritando os ativistas LGBT, por usar símbolos e linguagem usados ​​pela comunidade gay para uma campanha chamada “Orgulho de se entregar”.

A igreja pendurou outdoors estampados com uma bandeira de arco-íris em torno de Atlanta, que direcionava os espectadores a um site de depoimentos que desviaram suas vidas da atração pelo mesmo sexo através da conversão ao cristianismo.

‘Devemos esperar a perseguição’

Ainda conforme a Fox News, Sarah Kate Ellis, jornalista, presidente e CEO da GLAAD — organização que monitora a forma como as pessoas LGBT são retratadas — acusou a igreja de enviar uma mensagem “perigosa e anti-LGBT”.

O grupo de direitos dos homossexuais enviou um caminhão para ficar do lado de fora da igreja exibindo mensagens como: “Orgulho de ter sido libertado da teologia opressiva”.

O pastor disse que os cristãos devem esperar mesmo essa resistência e cancelar a cultura quando falarem sobre questões controversas.

“Quando você lê a Bíblia, em Atos, quando a igreja primitiva começou a evoluir, houve forte perseguição. É importante voltarmos para o Evangelho primitivo. Se queremos defender o que Deus representa, teremos que esperar a perseguição”, disse ele.

Como a Igreja é perseguida hoje

Myles observa que a “perseguição” é diferente hoje daquela que a igreja primitiva experimentou: “A censura é um tipo mais pesado de resistência que alguns cristãos estão enfrentando no mundo ocidental”.

O pastor acredita que essa oposição tem como objetivo separar os cristãos do resto da sociedade e unir um remanescente de cristãos que crêem na Bíblia. Mas ele diz que é importante que a igreja se lembre de falar a verdade com graça ao alcançar os incrédulos.

“Há tantas pessoas que precisam de Deus agora, e precisamos estar lá compartilhando isso com elas. Quero encorajar todos que estão fazendo isso”, disse ao lembrar que quando Elias se sentiu só, Deus disse a ele que havia 7 mil pessoas que não haviam dobrado os joelhos a Baal. “Por isso, continue pregando o Evangelho, pois você também não está sozinho”, concluiu.

Fonte: Guia-me