HomeInternacional

Procuradoria do Equador diz que ordem de homicídio de candidato à Presidência saiu de presídio

Durante a audiência preparatória de julgamento, a procuradora equatoriana Ana Hidalgo apresentou seu parecer acusatório contra seis detidos que estão sendo processados ​​pelo assassinato do ex-candidato presidencial Fernando Villavicencio. O crime chocou o país há mais de seis meses.

Villavicencio foi assassinado por pistoleiros em 9 de agosto de 2023, após participar de um comício no norte de Quito. O evento ocorreu poucos dias antes do debate presidencial e do primeiro turno das eleições.

Após três adiamentos, a audiência preparatória do julgamento do crime foi finalmente marcada na terça-feira (27), em meio a fortes medidas de segurança no Complexo Judiciário Norte, em Quito.

A CNN confirmou que membros das forças policiais especiais, guarda-costas e agentes antiexplosivo se reuniram no início da manhã nas instalações para monitorar a ordem e a segurança.

A audiência contou com a presença de Verónica Sarauz, viúva de Villavicencio, e foi desenvolvida de forma híbrida, já que algumas pessoas participaram presencialmente e outras virtualmente.

Ordem teria partido de presídio

A procuradora responsável pelo caso, Ana Hidalgo, indicou que a ordem do assassinato de Villavicencio saiu da prisão de Latacunga, localizada a uma hora e meia de Quito, de onde operam membros da quadrilha criminosa Los Lobos, à qual pertencem alguns dos processados ​​pelo crime.

Isso teria sido atestado após a coleta de provas como vídeos, ligações telefônicas, rastreamento de locais, perfis genéticos, relatórios técnicos de inspeção ocular, boletins policiais, chats e conversas.

“As mensagens foram enviadas pelo arguido Carlos Angulo a Johan Castillo, um dos envolvidos no crime, falecido nesse mesmo dia”, disse.

Ela sustentou que a coordenação com os assassinos para a execução do homicídio partiu da cela de Carlos Angulo, conhecido como “Invisível”, que estava detido naquela prisão, uma das mais importantes e conflituosas do país.

Hidalgo garantiu que, após a comparação morfológica e inspeção da cela de Angulo, o Ministério Público determinou que foi a partir daí que o homicídio foi ordenado. Angulo é considerado pelo Ministério Público um dos principais envolvidos no crime, como autor direto.

Gastón Toro, advogado de Angulo, pediu a anulação do processo por considerar que houve irregularidades e questionou as informações obtidas nos telefones apreendidos após o homicídio.

Toro não especificou na audiência se o seu cliente se declara culpado ou não do crime, sendo necessário esperar para ouvir os seus argumentos caso Angulo seja chamado a julgamento.

Por outro lado, a promotora Hidalgo acusou Laura Castillo de ser coautora do assassinato, afirmando que ela era a responsável por fornecer a logística e informações sobre os locais onde Villavicencio se encontrava. Castillo também foi identificada pelo Ministério Público como integrante da gangue Los Lobos.

Ela continua detida, e seu advogado insistiu que houve supostas irregularidades no processo. Ele também não detalhou se seu cliente teve algum grau de participação no incidente.

Laura Castillo, segundo a promotoria, se reuniu anteriormente com os assassinos e proporcionou a eles mobilização para o crime com motocicletas e veículos, além de armas, munições, bonés e camisetas com logotipos do movimento político de Villavicencio.

Enquanto isso, os outros quatro detidos foram acusados ​​pelo Ministério Público como cúmplices por supostamente se concentrarem na vigilância e planejamento do crime.

Depois de apoiar sua acusação, Hidalgo pediu à juíza Irene Pérez que convocasse a julgamento os seis detidos pelo crime. A madistrada suspendeu a audiência e pediu continuidade nesta quarta-feira, a partir das 10h, com a audiência preparatória do julgamento.

Advogados dos réus pedem anulação

Os advogados de quatro dos seis réus deste processo solicitaram a anulação do caso, considerando que houve erros na apreensão de um telefone celular, apontando violação do exercício da defesa daqueles envolvidos, bem como uma inconsistência na nomenclatura de um código de telefone celular.

No entanto, a juíza rejeitou os pedidos e decidiu que não existem vícios formais que possam afetar o procedimento, a processualidade e a competência em que se baseia a acusação fiscal. Pérez declarou a validade de tudo o que foi feito até agora neste caso.

Após o assassinato de Villavicencio, 13 pessoas foram inicialmente processadas, mas sete delas foram assassinadas entre 6 e 7 de outubro de 2023 em duas prisões no Equador, onde foram detidas.

A juíza resolveu encerrar a ação penal contra os mortos, considerando que suas mortes foram confirmadas pelas autoridades equatorianas e colombianas (já que seis deles eram de nacionalidade colombiana).

“Foi algo terrível, não consigo superar”, diz vítima secundária

Patricia Barragán, amiga e apoiadora de Villavicencio, participou da audiência preparatória do julgamento na terça-feira. Ela faz parte das vítimas secundárias do crime.

Ao entrar na audiência, Barragán compartilhou com a imprensa alguns detalhes do dia do crime de Villavicencio, após o evento de campanha.

“Fiquei o tempo todo atrás do Fernando, estive lá desde o momento em que ele interveio, depois subi no palco, descemos e eu saí atrás dele porque tinha um pedido a fazer”, relatou.

“Fernando me disse: ‘Paty, me dá quatro minutos.’ Ele só voltou e me disse: ‘Paty, me espere um momento’, mas já, a gente se reuniu, saímos e cheguei na porta da caminhonete onde o Fernando entrou e começaram os tiros”, adicionou.

Barragán destacou que espera justiça e verdade em relação à morte de seu amigo, afirmando que isso afetou seu meio ambiente e chocou o país.

“Foi algo terrível, algo que até agora não consigo superar. Tive que passar por muitas terapias, foram muitas injeções, foi um momento aterrorizante, algo que ainda não dá para acreditar, para um homem tão corajoso, tão justo, para um homem que só queria a verdade neste país”, enfatizou.

O Departamento de Estado dos Estados Unidos ofereceu em setembro uma recompensa de US$ 5 milhões por informações que levassem à prisão e condenação dos responsáveis ​​pelo assassinato de Villavicencio, e US$ 1 milhão por informações que levem à identificação ou localização de qualquer indivíduo que ocupe uma posição-chave de liderança no grupo responsável pela morte de Villavicencio.

Fonte: CNN Brasil