Pregador é processado por exibir ‘Salmo 139’ perto de clínica de aborto, em Londres

Um pregador e ativista cristão enfrenta, no Tribunal de Magistrados de Uxbridge, a possibilidade de uma sentença de seis meses de prisão.

O motivo do julgamento desta sexta-feira (19) é a exibição, pelo pregador, de um cartaz com um versículo do conhecido Salmo 139 da Bíblia em uma "zona tampão" fora de uma clínica de aborto em Londres.

Uma "zona tampão" é uma área designada ao redor de certos locais, como clínicas de aborto, onde atividades específicas são regulamentadas ou restritas. Nesses locais podem existir restrições quanto à abordagem de pessoas, distribuição de materiais informativos ou à realização de protestos, dependendo das leis locais.

No entanto, Stephen Green, de 72 anos, é acusado de violar uma Ordem de Proteção de Espaços Públicos (PSPO) por segurar uma placa do lado de fora de uma clínica no oeste de Londres, em 6 de fevereiro de 2023.

O pregador responde a acusações do Conselho de Ealing, um distrito londrino, com base na seção 67 da Lei de Comportamento Antissocial, Crime e Policiamento de 2014.

O texto bíblico na placa dizia: “Salmo 139:13 Pois tu possuíste os meus rins; tu me cobriste no ventre de minha mãe.”

Este salmo é um dos textos mais famosos e conhecidos das Escrituras.

Green está sendo apoiado pelo Centro Jurídico Cristão, que o defende da violação da ordem pública, que abrange até mesmo atividades como a oração, criminaliza "o protesto, incluindo participar de atos de aprovação/desaprovação, no que se refere a questões relacionadas aos serviços de aborto".

A PSPO, criada pelo Conselho de Ealing em abril de 2018, foi a primeira “zona tampão” em torno de uma clínica de aborto a ser introduzida no Reino Unido.

A legislação do PSPO é comumente aplicada a comportamentos antissociais, abrangendo questões como sujeira de cães, descarte inadequado de resíduos e uso indevido de álcool e drogas.

Em depoimento prestado à polícia, o membro da equipe da clínica que denunciou o Sr. Green afirmou que "o incidente se estendeu por uma hora" e que um dos "indivíduos suspeitos" estava "segurando uma Bíblia na mão, aparentemente lendo em voz alta".

E acrescentou: “Recebi uma mensagem de texto da polícia dizendo que estavam tratando o caso como uma emergência”.

Green, que ocupa o cargo de diretor do grupo de campanha Christian Voice, deixou o local antes da chegada da polícia.

Entretanto, a equipe da clínica informou à polícia sobre o ocorrido, e sete meses após o incidente, o Sr. Green recebeu uma notificação de acusação do Conselho de Ealing.

Se considerado culpado sob a seção 67 na audiência em Uxbridge nesta semana, Green pode ser condenado a seis meses de prisão e/ou multa de £1.000 (cerca de R$ 6.300,00).

Consulta à opinião pública

A introdução das “zonas tampão” foi criticada por políticos e ativistas, que classificaram essas medidas como extremamente rígidas, acusando-as de criminalizar a liberdade de expressão e de impedir o acesso de mulheres vulneráveis a alternativas ao aborto.

Isso aparentemente levou o governo a divulgar e buscar a opinião pública, aberta até o próximo dia 22 de janeiro, sobre seu projeto de orientação para as zonas, alegando estar "em busca de opiniões e clareza".

O projeto de orientação do governo reconhece que as “zonas tampão” devem ser interpretadas segundo os direitos humanos, incluindo o direito de manifestar crenças religiosas, o direito à liberdade de expressão e o direito à liberdade de reunião e associação:

"A oração silenciosa, sendo o envolvimento da mente e do pensamento em oração a Deus, é protegida como um direito absoluto nos termos da Lei dos Direitos Humanos de 1998 e não deve, por si só, ser considerada uma infração em quaisquer circunstâncias."

"Uma conduta imóvel e não intrusiva não deve, por si só, ser considerada uma infração. A mera presença de alguém em uma Zona de Acesso Seguro, sem indicação de que estão prestes a interagir com qualquer pessoa que esteja acessando, fornecendo ou facilitando serviços de aborto, nunca deveria resultar em ação policial."

"…é importante que os policiais lidando com incidentes suspeitos de violação da seção 9 tenham o conhecimento apropriado dos direitos humanos. Os agentes envolvidos em suspeitas de violação da seção 9 devem ter recebido treinamento adequado para equilibrar os direitos protegidos sob a Convenção Europeia de Direitos Humanos."

‘Ataque à Bíblia’

Antes da audiência, o Sr. Green disse: “Fiquei profundamente chocado ao receber a convocação do Conselho de Ealing.”

“Vejo esta acusação como um ataque à Bíblia e à liberdade de expressão. Estou determinado a me defender e lutar por justiça”, declarou.

“As pessoas têm razão em se preocupar com a legislação da zona tampão. Proibir o testemunho cristão e controlar o que as pessoas podem dizer numa área é draconiano e anticristão”, afirmou.

“Há um grande princípio em jogo aqui. Se não formos livres para segurar uma placa com um versículo do Salmo 139 numa rua de Londres, então nenhum de nós será livre”, disse.

'Caso preocupante'

A diretora executiva do Christian Legal Centre, Andrea Williams, disse: “É preocupante que um homem na casa dos 70 anos segurando uma placa com um versículo bíblico esteja agora sendo tratado como uma situação de 'emergência' pela polícia.”

“As zonas tampão são uma parte opressiva da cultura atual que força o consentimento e silencia a dissidência”, reagiu.

“O efeito da PSPO é criminalizar qualquer ato de desaprovação do aborto e criar uma área onde nenhuma discussão ou mesmo oração relacionada ao aborto seja permitida”, avaliou Andrea.

“Já ocorreram mais de 10 milhões de abortos no Reino Unido desde que o aborto foi legalizado em 1967. Este é um número impressionante. Isto é quase o dobro da população da Escócia e mais do que toda a população de Londres. Milhões de pessoas estariam vivas hoje se o aborto não tivesse sido legalizado”, declarou.

“Em vez de lamentar esta perda de vidas, estamos a industrializá-la, tornando cada vez mais fácil a obtenção eficaz do aborto a pedido, e agora estamos a criminalizar a dissidência.”

“Apoiaremos o Sr. Green enquanto ele busca justiça neste caso.”

Fonte: Guia-me