Muçulmanos destroem igreja e impedem culto cristão na Indonésia

Cristãos foram impedidos de entrar na igreja durante o culto de domingo em uma cidade, no norte da Indonésia, após o local ser bloqueado por dezenas de pessoas furiosas.

Além disso, segundo fontes, cerca de 30 pessoas danificaram uma igreja em construção na província das Ilhas Riau na quarta-feira (09).

O grupo usou martelos e porretes para abrir enormes buracos nas paredes da Igreja Missionária Pentecostal na Indonésia (GUPdI), que estava em construção, no vilarejo de Kabil, distrito de Nongsa, cidade de Batam, segundo a mídia local.

Em um vídeo compartilhado nas mídias sociais, que mostra o ataque, aparece um homem do grupo afirmando que a igreja não tinha permissão para construir um prédio de culto. No entanto, o pastor Sham Jack Sean Napitupulu da GUPdI teria dito que a igreja tinha uma carta da Autoridade da Zona Franca de Batam permitindo a construção.

Esse é um argumento comum dos muçulmanos linha-dura na Indonésia, onde os pedidos de permissão para construção de templos são ignorados ou negados, além de ser bastante onerosos.

Segundo a polícia local e o presidente do Fórum de Comunicação Inter-religiosa de Batam (FKUB), Chabullah Wibisono, não houve motivos religiosos para a destruição do templo, mas que o conflito estava enraizado apenas no desejo dos moradores de usar o local como uma instalação pública, informou a mídia local.

‘Destruição inaceitável’

Os líderes da igreja apresentaram uma queixa sobre os danos à Polícia das Ilhas Riau.

O presidente da Associação de Igrejas e Instituições Evangélicas da Indonésia (PGLII) nas Ilhas Riau, pastor Jimmy Loho, denunciou a destruição como anarquista e inaceitável, segundo a mídia local.

Na sexta-feira (11), um administrador do GUPdI se reuniu na sede da polícia local com os líderes muçulmanos de Batam City, o representante do Ministério da Religião da Indonésia, Proverbs Yowei, e os moradores. Eles chegaram a um acordo estipulando que a construção do prédio da igreja seria interrompida até que uma licença fosse concedida.

O processo judicial contra os que danificaram o prédio da igreja em construção continua em andamento.

Na vizinha província de Sumatra do Norte, em 6 de agosto manifestantes muçulmanos protestaram contra a congregação da Igreja Mawar Sharon (GMS). Eles mandaram os membros abandonarem os planos de construir um local de culto em um terreno próximo, de acordo com um vídeo postado por Aktualonline.com.

Ver essa foto no Instagram

Uma publicação compartilhada por AKTUAL ONLINE (@aktualonline_)

O vídeo mostra os manifestantes com faixas dizendo: “Nós, os residentes da subaldeia 1, vila de Tanjung Morawa, recusamos as atividades de não muçulmanos nesta vila” e “os residentes da subvila 1, vila de Tanjung Morawa, recusar severamente atividades de adoração que violem os regulamentos do governo”.

Alguns dos manifestantes eram moradores locais, enquanto outros vieram de fora da área, segundo Emmy Marlina, secretária do pastor sênior e fundador da igreja, Philip Muntofa.

Um membro da igreja que possui um armazém o disponibilizou para a igreja usar como um local temporário de culto, mas as manifestações impediram a igreja de adorar lá, relatou Marlina ao Morning Star News.

“Para locais de culto temporários, nenhuma permissão é necessária”, observou ela.

Extremistas islâmicos

A divisão local da regência de Deli Serdang iniciou esforços para encontrar uma solução para o conflito, disse Marlina.

“Consideramos a atitude do governo muito acomodatícia”, disse ela ao Morning Star News. “O diretor geral da Orientação da Comunidade Cristã, bem como o Ministro da Religião, estão levando a sério incidentes como esse. Agradecemos a eles por seus esforços para trazer justiça a todos os grupos.”

A Indonésia ficou em 33º lugar na lista de observação mundial de 2023 da Portas Abertas entre os 50 países onde é mais difícil ser cristão.

A sociedade indonésia adotou um caráter islâmico mais conservador, e as igrejas envolvidas em atividades evangelísticas correm o risco de serem alvo de grupos extremistas islâmicos, de acordo com o relatório da Portas Abertas.

“Se uma igreja é vista pregando e espalhando o evangelho, ela logo se depara com a oposição de grupos extremistas islâmicos, especialmente em áreas rurais”, observou o relatório. “Em algumas regiões da Indonésia, as igrejas não tradicionais lutam para obter permissão para edifícios religiosos, com as autoridades muitas vezes ignorando sua papelada.”

Fonte: Guia-me