‘Mostra do incrível poder de Deus’: Telescópio da NASA revela imagens de 19 galáxias

A Nasa divulgou um conjunto de imagens altamente detalhadas de 19 galáxias espirais próximas, que foram capturadas pelo Telescópio Espacial James Webb (JWST, na sigla em inglês).

Milhões de estrelas em tons de azul foram registradas pelo equipamento. Uma parte das estrelas estão dispersas pelos braços espirais enquanto outras estão aglomeradas.

As galáxias espirais, que se assemelham a enormes cata-ventos, são um tipo comum de galáxia, e a nossa própria Via Láctea pertence a essa categoria.

Os dados MIRI (Instrumento de Infravermelho Médio) destacam áreas de poeira brilhante, revelando sua presença ao redor e entre as estrelas. Além disso, o MIRI evidencia estrelas em estágios iniciais de formação, ainda envoltas em gás e poeira que nutrem seu crescimento, assemelhando-se a sementes vermelhas brilhantes nas extremidades de picos poeirentos.

As imagens capturadas pelo James Webb também revelam grandes conchas esféricas formadas pelo gás e pela poeira.

A galáxia mais próxima dentre as 19 mencionadas é a NGC5068, situada a aproximadamente 15 milhões de anos-luz da Terra. Já a mais distante é a NGC1365, localizada a cerca de 60 milhões de anos-luz de distância. Um ano-luz representa a distância que a luz percorre em um ano, equivalente a 9,5 trilhões de quilômetros.

Astronomia e Bíblia

Assim que as primeiras imagens do Universo foram reveladas pelo James Webb, em 2022, cientistas cristãos opinaram sobre a compatibilidade das “descobertas” com as Escrituras.

Com mais de trinta anos de experiência em pesquisa e ensino, o Dr. Gerald Schroeder, um cientista e palestrante na Aish Hatorah Yeshiva em Jerusalém, reagiu à nova descoberta dizendo que era “totalmente consistente com a história da Criação”.

“Perguntaram-me como Deus criou a luz no primeiro dia, mas as estrelas e os corpos celestes não foram criados até o quarto dia”, disse o Dr. Schroeder ao Israel365 News.

“Isso é consistente com o que os físicos estão aprendendo agora; que o universo era opaco no início e depois começou a irradiar. As estrelas ainda não haviam se formado, mas havia energia”, explicou.

Dr. Schroeder também explicou isso em termos bíblicos:

“O Gênesis descreve que no primeiro dia da criação, houve radiação de energia que é essencialmente luz”, disse o Dr. Schroeder. "A Torá diz que havia ou, luz simples, ou o que os físicos chamam de radiação de energia."

Glória de Deus

Para muitos cientistas cristãos, as imagens registradas pelo James Webb revelam a glória de Deus.

Novas imagens de 19 galáxias espirais do Telescópio Espacial James Webb em luz infravermelha próxima e média. (Foto: NASA, ESA, CSA, STScI, Janice Lee [STScI], Thomas Williams [Oxford], equipe PHANGS)

“[É] por isso que queremos estudar os céus, para que possamos observar a incrível glória de nosso Deus”, disse Rob Webb, engenheiro aeroespacial da Answers in Genesis e ex-funcionário da NASA.

Os cristãos devem abraçar a astronomia mesmo que discordem da visão de mundo secular dominante, enfatizou Webb.

"Deus criou os céus e a terra – vamos nos lembrar de basear todo o nosso pensamento, desde o início, em Gênesis 1:1 sem compromisso", disse ele.

O tamanho do universo, acrescentou, "apenas mostra o incrível poder do nosso incrível Deus".

‘Riqueza de detalhes’

O astrônomo da Universidade de Oxford, Thomas Williams, desempenhou o papel principal no processamento de dados do mais recente conjunto de imagens, demandando aproximadamente 18 meses de esforço para uma equipe composta por cerca de 10 pessoas.

Ele explicou: "A riqueza de detalhes presentes nessas imagens é verdadeiramente impressionante, no sentido positivo. Isso significa que poderemos preencher mais lacunas no nosso conhecimento sobre a estrutura e evolução das galáxias, a formação estelar, o ciclo de vida das estrelas e muito mais.”

As imagens fazem parte do programa de longa duração chamado "Física em Alta Resolução Angular em Galáxias Próximas" (Phangs, sigla em inglês), que conta com o apoio de mais de 150 astrônomos em todo o mundo.

‘Privilégio e desafio’

Estas imagens mais recentes, capturadas pelos espectrógrafos de infravermelho próximo e médio do James Webb, somam-se ao vasto conjunto de dados coletados pelo programa, incluindo informações do Telescópio Espacial Hubble da NASA, do Explorador Espectroscópico Multi-Unidade do Very Large Telescope e do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array.

Isso significa que os pesquisadores agora têm dados de observação terrestres e espaciais em dados ultravioleta, visível e de luz de rádio, bem como imagens de infravermelho próximo e médio.

“Temos trabalhado arduamente para preparar esses dados para a ciência. Este programa contém um grande volume de dados e o JWST é um observatório extremamente complexo. Trabalhar com os dados tão cedo no ciclo de vida do JWST tem sido um privilégio e um desafio, e aprendemos muito que irá melhorar as observações do JWST no futuro. As imagens, penso eu, falam por si: esta é a visão mais nítida que já tivemos de galáxias nestes comprimentos de onda”, declarou o Dr. Williams.

As evidências indicam que o crescimento das galáxias ocorre de maneira radial, partindo de dentro para fora: a formação de estrelas tem início nos núcleos das galáxias e se propaga ao longo de seus braços, espiralando para longe do centro.

A probabilidade de uma estrela ser mais jovem aumenta à medida que ela se afasta do núcleo da galáxia. Por outro lado, regiões próximas aos núcleos, que exibem uma luminosidade semelhante a um holofote azul, são compostas por populações de estrelas mais antigas. Alguns núcleos de galáxias apresentam picos de difração em tons de rosa e vermelho.

100.000 aglomerados de estrelas

Além da divulgação imediata destas imagens, a equipe PHANGS também disponibilizou o maior catálogo até a data, compreendendo aproximadamente 100.000 aglomerados estelares.

“A quantidade de análise que pode ser feita com estas imagens é muito maior do que qualquer coisa que a nossa equipa possa realizar”, disse o professor Erik Rosolowsky, da Universidade de Alberta, no Canadá, um dos líderes do projeto.

“Estamos entusiasmados em apoiar a comunidade para que todos os pesquisadores possam contribuir.”

O Telescópio Espacial James Webb foi lançado em 2021 e começou a coletar dados em 2022. O programa internacional é liderado pela NASA com os seus parceiros, a ESA (Agência Espacial Europeia) e a Agência Espacial Canadense.

Fonte: Guia-me