Membro de conselho escolar nos EUA toma posse com mão sobre livros pornôs em vez da Bíblia

Mestre em estudos bíblicos, Kathryn Brunner escreveu um artigo sobre o perigo da pornografia entre os estudantes. Intitulado “Acorde, América. A pornografia é a nova religião”, o texto traz uma série de atitudes promovidas principalmente pelos progressistas que atentam à fé cristã.

Professora e mãe de crianças em idade escolar, Kathryn informa que no condado de Fairfax as vozes conservadoras ocupam poucos cargos públicos e explica que isso tem feito muito diferença em diversas políticas locais.

Ela diz que manhã seguinte às eleições de novembro de 2023 as famílias conservadoras no condado tiveram uma notícia ruim com candidatos de extrema esquerda assumindo diversos cargos importantes.

“O conselho escolar viu uma série de candidatos de extrema esquerda. Karl Frisch, um ativista LGBTQ, foi eleito por 67% dos votos em seu distrito”, disse ela.

E continuou: “Sua lista de itens de ação inclui garantir que os alunos transgêneros possam usar o banheiro de sua escolha, impor o uso de pronomes preferidos e garantir que o material pornográfico esteja totalmente estocado nas prateleiras das bibliotecas escolares”.

Kathryn disse que tudo ficava ainda “pior”, e explicou:

“Em um ato de desafio contra a base moral judaico-cristã sobre a qual nossa república foi concebida, o Sr. Frisch escolheu ser empossado como vice-presidente do Conselho Escolar do Condado de Fairfax … colocando a mão em uma pilha de livros pornográficos cheios de ideologia LGBTQ em vez da Bíblia.”

E questionou: “É realmente isso que 67% dos eleitores do seu distrito queriam? Quantos desses residentes são pais de crianças em idade escolar?”

Bíblia como base

O texto de Kathryn mostra como ela, uma mulher conservadora e cristã, estava inconformada:

“Será que os cristãos conservadores que ficaram entre os 33% que não votaram nele e os que ficaram entre o resto do país podem dar-se ao luxo de manter os olhos fechados como se não vissem ou entendessem o que ele está acontecendo?”

Kathryn relembra que os EUA estão baseados na Bíblia e que a escolha do novo vice-presidente escolar quebra esta tradição:

“Desde a fundação da nossa nação, a Bíblia tem sido usada para empossar líderes eleitos para o seu novo cargo. O ato de colocar a mão na Bíblia significa, no mínimo, honestidade, integridade e atenção a um código moral de ética.”

Kathryn diz que “os princípios bíblicos constituem o cerne da história da nossa nação judaico-cristã, fornecendo um roteiro para a decência, responsabilidade e moralidade.”

Devoção a Deus

Kathryn relembra que George Washington prestou juramento como Presidente dos Estados Unidos em 30 de abril de 1789, colocando a mão sobre uma Bíblia aberta. Depois de fazer o juramento, ele a beijou.

“Suas primeiras palavras dirigidas ao povo demonstraram sua devoção a Deus”, relata Kathryn.

“Ele disse: ‘Seria particularmente impróprio omitir, neste primeiro ato oficial, minhas fervorosas súplicas àquele Ser Todo-Poderoso que governa o universo, que preside os conselhos das nações e cuja ajuda providencial pode suprir todos os defeitos humanos…’”

E continua: “A base moral de Washington era certa. Hoje, essa base moral já não existe ao serviço de Karl Frisch e daqueles que partilham a sua ideologia.”

Kathryn diz que ao substituir a Bíblia durante o seu juramento e, em vez disso, prestar juramento sobre a pedofilia narcisista e a pornografia adolescente, o Sr. Frisch está declarando que a Bíblia é obsoleta.

“Com os ecos de Nietzsche, Frisch está dizendo inequivocamente: ‘Deus está morto’”, escreveu Kathryn.

A professora diz ainda que na mesma cerimônia, o Sr. Frisch omitiu a frase “que Deus me ajude” do final de seu juramento de posse, em contraste com o juramento que outros novos membros do conselho fizeram.

‘Precedente insustentável’

Ela diz que pptar por prestar juramento sobre a pornografia em vez da Bíblia estabelece um precedente insustentável.

“Qual será o próximo? Atrevo-me a adivinhar?”, questiona.

“Não seja enganado. Frisch está indo além da Disney quando as imagens a portas fechadas revelaram sua ‘agenda gay não tão secreta’ para infiltrar filmes infantis com doutrinação LGBTQ”.

Segunda ela, Frisch está proclamando abertamente que a ideologia LGBTQ é a sua religião.

“Devemos nos curvar diante deste novo ‘deus’? Em essência, se permanecermos em silêncio, estaremos fazendo exatamente isso.”

Ela conclui dizendo: “Devemos lembrar-nos do poder de Deus para abrir os olhos dos cegos, incluindo os nossos, e nunca devemos contentar-nos em ficar à margem.”

“Agora é a hora de invocar o nome do Senhor. Devemos abandonar os nossos maus caminhos e falar contra o dilúvio de trevas que varre a nossa terra através dos cargos públicos”, declarou.

Fonte: Guia-me