Liberdade de cristãos é impedida por lei na China: “Pior abusador do mundo”

Em um relatório recente da organização americana “Freedom House” sobre liberdade da internet em 2022, a China está categorizada como “não livre” e é listada como “o pior abusador da liberdade da internet no mundo” há 8 anos consecutivos.

O relatório afirma: “Usuários convencionais enfrentam severas repercussões legais e extrajudiciais para atividades como compartilhar novos stories, falar sobre crenças religiosas ou se comunicar com membros da família ou outros no exterior”.

A internet é uma área em que o governo chinês impõe controles rígidos de segurança, por meio de censura, bloqueio e remoção de “conteúdo indesejado” que pode influenciar opiniões sociais.

Alguns sites cristãos e contas de mídias sociais com alto tráfego na web foram rotulados como “conteúdo indesejável” e bloqueados ou fechados.

Usuários da internet chineses são, de longe, o maior grupo de internautas (cerca de 1 bilhão) em todo o mundo e regularmente trocam informações por meio da internet e mídias sociais. Além disso, a maioria das transações comerciais na China ocorrem de forma digital, mesmo nas áreas rurais.

‘Situação difícil para os cristãos’

Nos últimos anos, diversas leis e regulamentos foram aplicados na China, alguns limitando diretamente a liberdade dos cristãos em praticar a fé.

Esses regulamentos colocam cristãos e igrejas em uma situação muito difícil, conforme a Portas Abertas.

Um deles — implementado em março de 2022 — é chamado de “Medidas para a Administração dos Serviços de Informações Religiosas na Internet”. Essa lei exige que grupos cristãos solicitem uma licença para hospedar conteúdos na internet.

‘Redução drástica da liberdade’

Com suas rígidas leis e regras, a China ocupa a 16ª posição na Lista Mundial da Perseguição 2023, o ranking anual dos países onde há perseguição aos cristãos.

A igreja no país é cada vez mais afetada pela abordagem do Estado de interferir ativamente e controlar as igrejas, independentemente de serem registradas ou não.

Desde que Xi Jinping assumiu a posição de secretário-geral do Partido Comunista Chinês, em novembro de 2012, e de presidente, em março de 2013, uma forte redução da liberdade é vista em todos os setores da sociedade, inclusive na religião.

O objetivo declarado do governo é manter a estabilidade do país, que é rotulada como forma de manter uma “sociedade harmoniosa e pacífica”.
Para consolidar seu poder, o presidente promove a “sinização”, que é a pressão aplicada por autoridades chinesas a todas as etnias no país a fim de adotarem cultura, pensamento político, língua e identidade cultural da etnia majoritária han.

Uma campanha de sinização da religião é implementada por todo o país como uma tentativa de tornar a religião mais “chinesa” e remover os elementos “estrangeiros”.

Fonte: Guia-me