HomeEconomia

Eletrobras (ELET3) descarta novo plano de demissão voluntário e analisa leilões

Depois de dois planos de demissão voluntária (PDV) em que 2.811 colaboradores – até o momento – foram desligados, o CEO da Eletrobras (ELET3), Ivan Monteiro, informou durante a teleconferência de resultados do 4T23, realizada nesta quinta-feira (14), que a companhia não pretende mais promover novos programas desse tipo.

Assim, em janeiro, a companhia passou a contar com 7.911 funcionários – ante 9.670 contabilizados no último trimestre de 2022, quando a empresa anunciou o primeiro PDV pós-privatização.

A Eletrobras (ELET3) reverteu prejuízo do quarto trimestre de 2022 e registrou lucro líquido de R$ 893 milhões nos últimos três meses do ano passado.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Eletrobras (ELET3): participação Cteep (TRPL4)

Monteiro afirmou também que a Eletrobras prosseguirá nesse ano com descruzamento de participações societárias não-estratégicas. “Devemos ter comportamento semelhante em 2024”, disse.

No entanto, o executivo não quis comentar sobre possível venda da participação na Isa Cteep (TRPL4) – em novembro, a empresa havia informado ao mercado a paralisação do processo de venda.

Novos leilões

Sobre participação em novos leilões, a companhia informou que segue de olho em ativos que tragam desenvolvimento ao portfólio. E isso tem acontecido por meio de participação em leilões de transmissão promovidos pela Aneel, como os que ocorreram no ano passado.

Continua depois da publicidade

Para os dois certames programados para 2024, a Eletrobras diz querer participar de ambos.

“Esse leilão de março (no dia 28) a gente vem estudando. É uma atividade contínua. Estamos trabalhando para o leilão no fim de março assim como temos trabalhado para o leilão de setembro”, afirmou o vice-presidente de Estratégia e de Desenvolvimento de Negócios, Élio Wolff.

“A Eletrobras tem sinergia com todos os lotes de transmissão. Estamos focando naquilo que achamos mais relevante”, acrescentou.

Já sobre o leilão de reserva de capacidade, que está em consulta pública, a empresa afirma estar otimista para esse certame.

“Acho que tem leituras bastante positivas. A primeira delas, é que pela primeira vez se incluiu as hidrelétricas (antes, apenas termelétricas concorriam) das quais temos oportunidades. Estamos preparando esses projetos para se tornar habilitado para o leilão de capacidade”, garantiu Wolff.

O leilão de capacidade ainda não tem data para realização, mas deve ocorrer esse ano.

Comercialização de energia

Um dos pilares do projeto de desenvolvimento da companhia pós-privatização, a comercialização de energia cresce, embora com números ainda tímidos.

“A Eletrobras expandiu com base de clientes para comercialização de energia, mas o número ainda é pequeno”, reconheceu o CEO na teleconferência de resultados. “Temos ambição de ter milhares de clientes”, acrescentou.

Segundo ele, a nova estrutura de comercialização de energia da empresa está pronta e vai atuar inclusive em São Paulo. No início desse ano, os negócios no segmento aqueceram.

“Ambiente de comercialização está mais apertado pela questão da hidrologia, e com relação também às ondas de calor. Muita gente que estava em aberto, exposto ao preço mais baixo, tendeu a fechar suas posições”, disse o vice-presidente de Comercialização, Ítalo Tadeu.

“Isso fez com que no 1º trimestre deste ano houvesse uma procura maior por essa energia e consequentemente os preços tiveram um incremento nesse período. Então, de 2024 em adiante, a gente vê uma procura maior pela energia”, complementou.

A área de comercialização de energia, impulsionada pela recente atuação no mercado livre, passou no final de 2023 a ter 400 clientes, com avanço de 484% em relação aos 46 consumidores finais de 2022.

Fonte: clique aqui.

Você gostou desse conteúdo? Compartilhe!