HomeInternacional

Cidade do México está a poucos meses de ficar totalmente sem água

Alejandro Gomez está sem água corrente há mais de três meses. Às vezes, a água dura uma ou duas horas, mas apenas um pequeno gotejamento, apenas o suficiente para encher alguns baldes. Depois nada durante muitos dias.

Gomez, que mora no distrito de Tlalpan, na Cidade do México, não tem um grande tanque de armazenamento, por isso não recebe entregas de caminhões-pipa, porque  simplesmente não há onde armazenar a água. Em vez disso, ele e sua família usam o que podem comprar e armazenar.

Quando se lavam, eles captam o escoamento para dar descarga. “É difícil”, disse ele à CNN. “Precisamos de água, é essencial para tudo.”

A escassez de água não é incomum neste bairro, mas desta vez parece diferente, disse Gomez. “No momento, estamos com esse clima quente. É ainda pior, as coisas são mais complicadas.”

A Cidade do México, uma metrópole em expansão com quase 22 milhões de habitantes e uma das maiores cidades do mundo, enfrenta uma grave crise hídrica, à medida que um emaranhado de problemas – incluindo a geografia, o desenvolvimento urbano caótico e infra-estruturas com vazamentos – são agravados pelos impactos das alterações climáticas.

Anos de chuvas anormalmente baixas, períodos de seca mais longos e temperaturas elevadas aumentaram o estresse num sistema de água que já se esforça para lidar com o aumento da demanda. As autoridades foram forçadas a introduzir restrições significativas à água bombeada dos reservatórios.

“Vários bairros sofrem com a falta de água há semanas e ainda faltam quatro meses para o início das chuvas”, disse Christian Domínguez Sarmiento, cientista atmosférico da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

Os políticos minimizam qualquer sensação de crise, mas alguns especialistas dizem que a situação atingiu agora níveis tão críticos que a Cidade do México pode estar caminhando para a seca total em uma questão de meses – quando as torneiras secarem em grandes áreas da cidade.

Baixas históricas

A densamente povoada Cidade do México se estende pelo leito de um lago de grande altitude, a cerca de 2.200 metros acima do nível do mar. Foi construído num solo rico em argila – no qual está agora afundando – e é propenso a terremotos e altamente vulnerável às alterações climáticas. É talvez um dos últimos lugares que alguém escolheria para construir uma megacidade hoje.

Os astecas escolheram este local para construir a cidade de Tenochtitlan em 1325, quando era uma série de lagos. Construíram numa ilha, expandindo a cidade para fora, construindo redes de canais e pontes para trabalhar com a água.

Mas quando os espanhóis chegaram, no início do século XVI, destruíram grande parte da cidade, drenaram o leito do lago, encheram canais e destruíram florestas. Eles viam “a água como um inimigo a vencer para que a cidade prosperasse”, disse José Alfredo Ramirez, arquiteto e codiretor da Groundlab, uma organização de design e pesquisa política.

A decisão abriu caminho para muitos dos problemas modernos da Cidade do México. As zonas úmidas e os rios foram substituídos por concreto e asfalto. Na época das chuvas, inunda. Na estação seca, fica ressecado.

Cerca de 60% da água da Cidade do México vem de um aquífero subterrâneo, mas este tem sido tão extraído que a cidade afunda a um ritmo assustador – cerca de 50 centímetros por ano, de acordo com pesquisas recentes. E o aquífero não está sendo reabastecido com rapidez suficiente. A água da chuva escorre pelas superfícies duras e impermeáveis da cidade, em vez de afundar no solo.

O resto da água da cidade é bombeado a grandes distâncias colina acima, a partir de fontes fora da cidade, num processo incrivelmente ineficiente, durante o qual cerca de 40% da água é perdida através de vazamentos.

O sistema de água de Cutzamala, uma rede de reservatórios, estações de bombeamento, canais e túneis, fornece cerca de 25% da água utilizada pelo Vale do México, que inclui a Cidade do México. Mas a seca severa cobrou seu preço. Atualmente, com cerca de 39% da capacidade, está em um mínimo histórico.

“É quase metade da quantidade de água que deveríamos ter”, disse Fabiola Sosa-Rodríguez, chefe de crescimento econômico e ambiente da Universidade Autônoma Metropolitana da Cidade do México.

Em outubro, a Conagua, a comissão nacional de águas do país, anunciou que restringiria a água de Cutzamala em 8% “para garantir o abastecimento de água potável à população, dada a grave seca”.

Apenas algumas semanas depois, as autoridades reforçaram significativamente as restrições, reduzindo a água fornecida pelo sistema em quase 25%, culpando as condições meteorológicas extremas.

“Serão necessárias medidas para poder distribuir, ao longo do tempo, a água que Cutzamala tem, para garantir que não se esgote”, disse Germán Arturo Martínez Santoyo, diretor-geral da Conagua, em comunicado na época.

Vista aérea de região da Cidade do México / 24/05/2023 REUTERS/Henry Romero

Cerca de 60% do México passa por uma seca moderada a excepcional, de acordo com um relatório de fevereiro. Quase 90% da Cidade do México está passando por uma seca severa – e a situação deve piorar com o início da estação chuvosa, ainda a alguns meses de distância.

“Estamos no meio da estação seca, com aumentos de temperatura esperados até abril ou maio”, disse June Garcia-Becerra, professora assistente de engenharia na Universidade do Norte da Colúmbia Britânica.

A variabilidade climática natural afeta fortemente esta parte do México. Três anos de La Niña trouxeram seca para a região, e depois a chegada do El Niño no ano passado ajudou a proporcionar uma estação chuvosa curta que não conseguiu reabastecer os reservatórios.

Mas a tendência de longo prazo do aquecimento global causado pelo homem permanece em segundo plano, alimentando secas mais prolongadas e ondas de calor mais intensas, bem como chuvas mais fortes quando chegam.

“As alterações climáticas tornaram as secas cada vez mais severas devido à falta de água”, disse Sarmiento da UNAM. Além disso, as altas temperaturas “fizeram com que a água disponível no sistema Cutzamala evaporasse”, disse ela.

No verão passado, ondas de calor brutais atingiram grandes partes do país, matando pelo menos 200 pessoas. Estas ondas de calor teriam sido “virtualmente impossíveis” sem as alterações climáticas, segundo uma análise realizada por cientistas.

Os impactos climáticos colidiram com as dificuldades crescentes de uma cidade em rápida expansão. À medida que a população cresce, os especialistas dizem que o sistema centralizado de água não acompanhou o ritmo.

“Dia zero?”

A crise desencadeou um debate acirrado sobre se a cidade atingirá um “dia zero”, onde o sistema de Cutzamala cairá para níveis tão baixos que será incapaz de fornecer água aos residentes da cidade.

No início de fevereiro, a mídia local noticiou amplamente que um funcionário de uma filial da Conagua disse que sem quantidades de chuva significativas, o “dia zero” poderia chegar em 26 de junho.

Mas desde então as autoridades têm procurado garantir aos residentes que não haverá dia zero. Numa coletiva de imprensa em 14 de fevereiro, o presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, disse que estavam em curso trabalhos para resolver os problemas da água. O presidente da Câmara da Cidade do México, Martí Batres Guadarrama, disse numa recente coletiva de imprensa que as notícias do dia zero eram “notícias falsas” espalhadas por opositores políticos.

A Conagua recusou os pedidos de entrevista da CNN e não respondeu a perguntas específicas sobre a perspectiva de um dia zero.

Mas muitos especialistas alertam para uma crise crescente. A Cidade do México poderá ficar sem água antes da chegada da estação chuvosa se continuar a usá-la da mesma forma, disse Sosa-Rodríguez. “É provável que enfrentemos um dia zero”, acrescentou.

Isto não significa um colapso total do sistema de água, disse ela, porque a cidade não depende de apenas uma fonte. Não será o mesmo que aconteceu quando a Cidade do Cabo, na África do Sul, esteve perigosamente perto de ficar totalmente sem água em 2018, após uma grave seca que durou vários anos. “Alguns grupos ainda terão água”, disse ela, “mas a maioria das pessoas não”.

Raúl Rodríguez Márquez, presidente do Conselho Consultivo da Água, uma organização sem fins lucrativos, disse não acreditar que a cidade chegará ao dia zero este ano – mas, alertou, isso acontecerá se não forem feitas mudanças.

“Estamos numa situação crítica e podemos chegar a uma situação extrema nos próximos meses”, disse ele à CNN.

“Ninguém está preparado”

Durante quase uma década, Sosa-Rodríguez disse que tem alertado as autoridades sobre o perigo de um dia zero para a Cidade do México.

Ela disse que as soluções são claras: um melhor tratamento de águas residuais aumentaria a disponibilidade de água e diminuiria a poluição, enquanto os sistemas de recolha de águas pluviais poderiam captar e tratar a chuva e permitir aos moradores reduzir a sua dependência da rede de água ou de caminhões-pipa em 30%.

A correção de vazamentos tornaria o sistema muito mais eficiente e reduziria o volume de água que deve ser extraído do aquífero. E soluções baseadas na natureza, como a recuperação de rios e zonas úmidas, ajudariam a fornecer e purificar a água, disse ela, com a vantagem adicional de tornar a cidade mais verde e fresca.

Num comunicado no seu site, a Conagua disse que realiza um projeto de três anos para instalar, desenvolver e melhorar a infra-estrutura hídrica para ajudar a cidade a lidar com as reduções no sistema Cutzamala, incluindo a adição de novos poços e o comissionamento de estações de tratamento de água.

Mas, entretanto, as tensões estão a aumentar, à medida que alguns moradores são forçados a lidar com a escassez, enquanto outros – muitas vezes nas regiões mais ricas – permanecem, na sua maioria, inalterados.

“Há uma clara desigualdade no acesso à água na cidade e isso está relacionado com a renda das pessoas”, disse Sosa-Rodríguez. Embora o dia zero possa ainda não ter chegado para toda a Cidade do México, alguns bairros têm lutado contra isso há anos, acrescentou ela.

Amanda Martínez, outra moradora do distrito de Tlalpan, disse que para as pessoas de lá, a escassez de água não é novidade. Ela e sua família muitas vezes têm que pagar mais de US$ 100 por um tanque de água de um dos caminhões-pipa da cidade. Mas está piorando. Às vezes, podem passar mais de duas semanas sem água e ela teme o que pode estar por vir, disse ela à CNN.

“Acho que ninguém está preparado.”

Fonte: CNN Brasil