SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Um ataque a tiros em um hospital universitário e em uma residência de Roterdã, na Holanda, deixou pelo menos três pessoas mortas nesta quinta-feira (28), segundo a última atualização das autoridades locais.

Um suspeito de ser o atirador foi preso após o ataque, durante a tarde. De acordo com a polícia, que não identificou outros agressores, ele tem 32 anos, mora na cidade portuária e usava um colete à prova de balas. Nem as vítimas nem o suspeito foram identificados até agora.

O primeiro relato de tiros chegou às autoridades às 14h25 locais. Antes de ir ao hospital, o atirador invadiu uma residência e matou uma mulher de 39 anos. Horas depois, a filha de 14 anos da vítima, que havia sido baleada e estava no hospital em estado grave, também morreu.

Depois, o agressor dirigiu-se ao Rotterdam Medical Center, associado à Universidade Erasmus, entrou em uma sala de aula, abriu fogo e matou um educador de 43 anos. Antes de ser preso, ele percorreu outros espaços do hospital e provocou um incêndio. As motivações do agressor, que foi detido em uma saída do prédio, ainda são desconhecidas.

"Nunca pensei que teria que me preocupar com um atirador na Holanda, mas aqui estamos", afirmou pelo X, antigo Twitter, Aleksandra Badura, uma médica do hospital.

A invasão ao centro de saúde causou pânico. Um estudante que falou sob anonimato à emissora RTL Nederland disse ter ouvido quatro ou cinco tiros e depois um barulho de explosão.

"Ficamos chocados com esse incidente horrível", disse o prefeito de Roterdã, Ahmed Aboutaleb. "Minhas condolências vão para as vítimas."

Já o primeiro-ministro da Holanda, Mark Rutte, agradeceu os funcionários que atuaram no local. "Os meus pensamentos vão para as vítimas da violência, para seus entes queridos e para todas as pessoas que sentiram medo", afirmou o político no X.

O ministro da Saúde, Ernst Kuipers, também se pronunciou. "Vítimas inocentes foram mortas hoje em um lugar onde todos deveriam se sentir seguros. Atacadas em um lugar onde as pessoas são tratadas e os médicos do futuro são treinados. É difícil compreender", escreveu ele nas redes sociais.

Segundo o procurador-chefe de Roterdã, Hugo Hillenaar, o suspeito era conhecido das autoridades. Em 2021, ele foi processado e condenado por abuso de animais. "Não podemos dizer nada sobre o motivo desse terrível ato neste momento. A investigação ainda está em andamento", afirmou Hillenaar.

Vídeos postados nas redes sociais mostraram a polícia instruindo os estudantes a saírem correndo enquanto agentes fortemente armados chegavam ao local. Uma das gravações mostrou um homem algemado vestindo o que pareciam ser calças camufladas.

Pelo X, a polícia está pedindo para testemunhas subirem no site da corporação quaisquer materiais que possam ajudar na investigação.

Roterdã vê um aumento da violência nos últimos anos, embora em situações distintas da ocorrida nesta quinta -os tiroteios na cidade são geralmente atribuídos a acertos de contas entre gangues de traficantes rivais, já que o porto local é uma das principais rotas de entrada de cocaína na Europa.

Fonte: Notícias ao Minuto