Após Argélia fechar 46 igrejas, cristãos lutam por sua fé: “Deus abriu oportunidades”

A Igreja clandestina na Argélia está crescendo, mesmo em meio a repressão do cristianismo pelo governo.

O governo da Argélia reconhece uma organização oficial chamada Associação da Igreja Protestante da Argélia (APCA), mas obter a certificação como parte dessa instituição é quase impossível.

Logo, as igrejas que não se cadastram se tornam alvos das autoridades no país. Segundo

Riadh Jaballah, da missão Voz dos Mártires no Canadá, 46 igrejas foram fechadas e não há informações de nenhuma congregação recém-aberta.

A Mission Network News informou que as igrejas que não fazem parte da APCA não estão formalmente autorizadas a abrir, e qualquer tentativa nesse sentido resultaria em uma restrição do governo.

Isto elimina qualquer oportunidade para o crescimento de igrejas. Aquelas que estão sob supervisão da APCA possuem 2.000 membros, porém, não há espaço para conexões pessoais ou discipulado.

“O tamanho destas igrejas legais confunde os crentes locais. Como pode a igreja ter o impacto social negativo que o governo argelino afirma ter quando as que estão registradas já têm tantos membros? O governo procura qualquer desculpa para persegui-los e fechar as igrejas”, disse Jaballah.

Apesar dos conflitos com o governo, Jaballah contou: “Nossos irmãos ainda lutam por sua fé. Eles ainda estão adorando a Deus”.

Igrejas Clandestinas

De acordo com a Mission Network News, os cristãos na Argélia estão tentando transformar a crise em oportunidade para falar sobre Jesus.

“Estamos felizes que os edifícios da igreja estejam fechados porque Deus abriu muitas oportunidades para a Igreja clandestina”, informou Jaballah.

Ele contou que os cristãos têm o cuidado de não chamar atenção das autoridades locais: “Se mais de 10 ou 15 pessoas se encontram. Se o número for maior do que isso, eles suspeitam e podem detê-los imediatamente”.

Jaballah comparou as igrejas clandestinas no país com a Igreja do primeiro século, que se reunia em casas e encontrava formas criativas de adoração.

“Tal como a Igreja primitiva, os crentes argelinos têm fome de boa teologia e de discipulado significativo. Continuamos orando por nossos irmãos e irmãs”, concluiu ele.

Fonte: Guia-me