Alunos do ensino médio fazem greve contra banheiros trans: ‘Proteger as meninas’

Centenas de estudantes do distrito escolar de Perkiomen Valley, na Pensilvânia, deixaram as aulas em protesto, após o conselho escolar local rejeitar uma política que obrigaria estudantes transgêneros a utilizar o banheiro correspondente ao seu sexo biológico.

"As crianças ficaram chateadas. As meninas… queríamos protegê-las. Elas ficaram chateadas. Não queriam que homens usassem seus banheiros", afirmou John Ott, organizador da paralisação, em entrevista à FOX News na segunda-feira.

Sua mãe, Stephanie, acusou o distrito de proteger exclusivamente os estudantes transgêneros e de não considerar o "quadro completo".

"A segurança das mulheres é uma questão muito importante, e esses alunos que se destacaram e se retiraram merecem reconhecimento. Eles demonstraram coragem e exerceram seus direitos da Primeira Emenda. A biologia é simples."

A Política 720 foi proposta após Tim Jagger, um pai local compartilhar nas redes sociais que sua filha ficou "profundamente abalada e emocionalmente perturbada" por entrar nos banheiros da escola após supostamente ter um encontro com um estudante transgênero em uma das instalações, de acordo com a WPVI-TV na Filadélfia.

No entanto, a reportagem do veículo destacou que nem o pai nem a filha tinham certeza absoluta de que a pessoa que a filha de Jagger encontrou no banheiro era um homem biológico.

‘Desconfortável’

Victoria Rudolph, outra estudante de Perkiomen Valley, disse à FOX News que também se sente desconfortável com a ideia de permitir que homens biológicos acessem os banheiros femininos, enfatizando a necessidade de mudanças para proteger as meninas.

"É preciso haver algumas mudanças. É desconfortável ver homens de 19 ou 18 anos no banheiro", disse ela.

Outro estudante, Brandon Emery, observou que o distrito não esclareceu os detalhes sobre como pretende aplicar a política, e os estudantes sentem que suas opiniões não estão sendo consideradas.

"Isso me faz sentir como se eu, minha irmã e todos os outros estudantes tivéssemos nossos direitos negligenciados e não fossem uma prioridade para esta escola", declarou ele.

'Frustração'

Melanie Marren, mãe de Emery, expressou frustração ao ver crianças lidando com situações que deveriam ser tratadas por adultos.

Ela compartilhou com o coapresentador do "FOX & Friends First", Todd Piro, a importância de as vozes dos alunos serem ouvidas.

"Eles estão implementando essas políticas sem considerar devidamente como elas afetam os estudantes, e é desconfortável ser apenas um adolescente em geral. Agora, eles têm que enfrentar a invasão de sua privacidade em espaços onde deveriam se sentir seguros e protegidos," ela comentou.

Em resposta à FOX News, após contato com o distrito em busca de comentários, o presidente do Conselho Escolar de Perkiomen Valley afirmou:

"Embora eu tenha votado de forma diferente da maioria do conselho, como presidente do conselho, respeito o resultado da votação e aqueles que votaram contra a aceleração da política… Também aprecio nosso corpo discente, aqueles que compareceram à nossa reunião anterior do conselho para votar e os mais de 300 estudantes que exerceram seu direito da Primeira Emenda para expressar sua opinião a favor da política durante o protesto na sexta-feira."

Fonte: Guia-me